Translate this blog

Pesquisar este blog

1.27.2009

TOC: conheça mais o transtorno que afeta rotina pessoal e profissional

Por: Flávia Furlan Nunes - InfoMoney

O TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) é uma das dez maiores causas de incapacitação do indivíduo, perdendo apenas para a depressão, a fobia social e o abuso de substâncias, de acordo com a edição de novembro da revista da Pro Teste Associação de Consumidores.

O que leva o transtorno a ocupar essa posição são as obsessões - idéias, pensamentos, imagens e impulsos repetitivos que invadem a mente do indivíduo - que consomem muito tempo e interferem significantemente na rotina normal do indivíduo, afetando seu trabalho.

Há ainda o comportamento compulsivo, que é repetitivo e visa reduzir a ansiedade e afastar as obsessões.

Um tipo menos conhecido, mas que pode se evidenciar no âmbito profissional, é a lentidão obsessiva. Acontece da seguinte maneira: os pacientes não repetem suas ações, como na maioria dos casos em que o transtorno é identificado, mas demoram horas e horas em tarefas diárias, graças ao medo de errar ou de causar problemas. Há indecisão, ruminações e rituais encobertos.

O transtorno


O TOC atinge uma proporção de 1,6% a 3,1% da população brasileira. Em um terço dos casos, os sintomas já se manifestam na infância ou adolescência, mas se agravam nas fases difíceis da vida. Algumas formas estão associadas à predisposição genética. Outras podem melhorar com uma situação problemática. Em 75% dos casos, ele está relacionado a outros transtornos psiquiátricos.

Os indivíduos que desenvolvem o transtorno têm muitos medos, são supersticiosos, perfeccionistas, lentos e envergonham-se de realizar suas manias, o que ocasiona brigas e isolamento social. Talvez por isso a maioria deles sejam solteiros. Por vergonha, eles escondem o comportamento dos mais próximos. Esta é uma prova de que, na maior parte das vezes, o paciente reconhece o problema, mas ele não pode controlá-lo.

O diagnóstico é clínico, enquanto o tratamento é individualizado, e pode ser feito por meio de medicamentos - antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina - e pela terapia cognitivo-comportamental. Cerca de 40% dos pacientes não respondem a esses tratamentos e são submetidos a neurocirurgias.

Quando o medo é a causa


Existem as obsessões classificadas como agressivas, sendo algumas delas o medo de ferir, matar ou prejudicar alguém. Há quem evite, neste caso, manusear tesouras, fósforos ou objetos que considerem perigosos. A pessoa com o transtorno chega até a pensar ter feito o ato tão temido, sem realizá-lo. As obsessões mais comuns entre os pacientes são:

- Preocupação com acidentes;
- Preocupação com sujeira, secreções corporais ou contaminações;
- Medo de que algo terrível aconteça a si próprio ou a alguém querido;
- Preocupação com simetria.

Existem ainda a compulsão por verificação (medo de causar uma catástrofe); por contagem, que podem ser associar às de repetição (somas e divisões desnecessárias); compulsões por simetria (verificar constantemente a posição de livros); e os rituais de colecionismo (não se desfazer de objetos inúteis ou descartáveis).

* A imagem pode ter tom pejorativo, mas não é objetivo deste blog fazê-lo.
Postar um comentário